Pular para o conteúdo

Os moradores do bairro Tibiri, em São Luís, realizam na manhã desta segunda-feira (19) um protesto e interditam o Km 46, da BR-135. Eles cobram melhores condições de infraestrutura no bairro. Os moradores atearam fogo e bloquearam a rodovia nos dois sentidos impedindo o tráfego de veículos no local.

Segundo os moradores o bairro está tomado por buracos. Eles pedem que a Prefeitura de São Luís realize a pavimentação completa do bairro.

Os moradores alegam ainda que por conta dos problemas de infraestrutura as empresas de ônibus não estão realizando o tráfego dos veículos pela a região. A liberação da via aconteceu às 8h.

Fonte: G1

1

Com o inicio do período chuvoso, dezenas de bairros da cidade balneária de São José de Ribamar vem enfrentando grandes problemas de infraestrutura, dando dor de cabeça e prejuízos à população.

Os bairros mais afetados com as chuvas no município são os que ficam fora da sede. Estes que já não tem um sistema de saneamento básico adequado, com as fortes chuvas a situação fica mais difícil aos moradores.

Rua do Itapiracó, bairro da Maioba em São José de Ribamar

Na rua do Itapiracó, na Maioba, os buracos e a lama dificultam a passagem dos pedestres nas ruas, veiculo então, nem pensar, pois, as grandes crateras chegam a tomar conta de toda dimensão da rua. Pra se ter a idéia da gravidade e do desespero dos moradores, as empresas que realizam o sistema de transporte urbano na região, das linhas Vassoral e Pq. Jair, notificaram à associação de moradores que apartir da próxima semana, os coletivos deixaram de passar nas principais ruas do bairro por conta dos buracos nas vias.

Esse é o descaso do poder público da gestão do senhor Luis Fernando Silva, mais conhecido como o melhor prefeito planejador de São José de Ribamar", ironiza um morador da comunidade.

Enquanto os ribamarenses padecem com os inúmeros problemas que a atual administração vem estabelecendo no município em vários setores. O prefeito Luis Fernando Silva, hoje conhecido no município como "Luis Malvadeza", parece não estar preocupado com o sofrimento daqueles que confiaram seus votos a ele na útlima eleição. Pois recentemente um vídeo veiculado nas redes sociais, mostra o gestor em uma festa carnavalesca no município, oferecida para amigos e aliados, com a presença de integrantes da Escola de Samba Acadêmicos do Tatuapé, da cidade de São Paulo.

 

Um morador de Imperatriz, portador de deficiênca física ficou revoltado ao chegar no Beira Rio, recentemente inaugurado com muita festa pelo Governo do Estado. A motivação da reclamação foi a falta de acessibilidade às pessoas portadoras de deficiência em toda extensão do "novo" Beira Rio.

O Governo do Estado pelo visto não se preocupou em momento algum com essas pessoas com deficiência motora, entra gestor, sai gestor e os problemas se agravam. Eles  enfrentam, diariamente, problemas em ruas e calçadas, nos ônibus de transporte coletivo, em banheiros públicos, rodoviárias e até em universidades.

Como mostra o vídeo abaixo, uma das situações mais complicadas para cadeirantes, por exemplo, é o tráfego em calçadas em péssimas situações e com obstáculos. E o que parece é a obra do Beira Rio não ser projetada para receber esses cidadãos que já sofrem com os problemas existentes, e ainda são discriminados por aqueles que eles ajudaram a colocar onde se encontram.

Governador, não custava nada o senhor tirar um pouco da publicidade e mandar construir rampas a essas pessoas que tem por direito os mesmos benefícios que qualquer outra pessoa tem, até mais. Esperamos que V. Excelência tenha a sensibilidade de enviar uma equipe ao local e assim reparar o erro cometido.

Video: Blog do Porão

 

 

uso das faixas exclusivas para ônibus em São Luís, passará por alterações a partir deste sábado (30). Com as  mudanças qualquer tipo de veiculo pode trafegar pela faixa das 13h59 de sábados até às 5 horas da manhã das segundas-feiras. A regra vale também para os feriados. A partir das 5 horas, a faixa volta a ser exclusiva sendo permitido o tráfego apenas de ônibus, táxi, ambulâncias, viaturas da Polícia e da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT). Os demais veículos podem apenas convergir à direita nos pontos sinalizados. 

As fiscalizações aqui no Maranhão é precária, o que se observa é gestores apenas querendo obter vantagens juntos aos condutores de veículos. Até porque a indústria da multa é uma obsessão que percorre todo o país.

As mudanças também servem para os taxistas, que poderão agora utilizar as vias exclusivas estando ou não com passageiros.  

Há faixas nas avenidas Colares Moreira, situada no bairro Renascença e Castelo Branco, no bairro São Francisco e nas ruas Cajazeiras e Rio Branco, ambas na área central da capital.

A esperança é que realmente funcione como se deve, pois em outros centros a coisa parece ser bem mais organizado.

 

Motoristas foram flagrados ao estacionar sobre uma calçada em frente a Igreja Batista na Av. Guaxenduba (Cajazeiras) no Centro de São Luis. Devido à imprudência, pedestres têm que se arriscar e caminhar pela via.

De acordo com o autor da foto do flagrante, as imagens foram feita esta semana em horário comercial. Ele afirma que a situação é comum no local.

Segundo Código de Trânsito Brasileiro, estacionar sobre calçada corresponde a infração grave, com multa de R$ 127,69 e acúmulo de cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Se agentes de fiscalização flagrarem a imprudência, o veículo ainda pode ser removido do local.

1

Temos falado muito em nosso blog da real situação de ruas, avenidas e logradouros da capital maranhense, que pra muitos se intitula uma metrópole. São Luís inscrita desde 1997 como Patrimônio Mundial da Humanidade, encanta à todos com seus azulejos e sobradões da arquitetura colonial portuguesa  e o seu conjunto urbanístico arquitetônico enche os olhos de turistas de todo o mundo.

Pois bem, moradores dos bairros da capital tem questionado o porque do abandono da cidade por parte da administração pública. O bairro da Coreia de Cima, próximo ao Estádio Municipal Nhozinho Santos, praticamente centro da cidade tem sido um dos bairros que mais sente a falta de compromisso do prefeito Edivaldo Holanda Jr.

As poucas ruas que existem na comunidade da Coreia, estão completamente fora da normalidade, os moradores não sabem mais a quem recorrer, já foram inúmeros pedidos junto ao órgão responsável, SEMOSP, mas a resposta é sempre a mesma, que o local está no cronograma da Prefeitura.

O Deputado Júnior Verde, através de solicitação de moradores, encaminhou em novembro do ano passado, Indicação nº 716/16 ao Prefeito Edivaldo Holanda Jr. por meio da Secretaria de Obras, solicitando com brevidade a recuperação da malha viária do bairro da Coreia de Cima, citando inclusive o nome das ruas. Indicação esta oficializada no Diário da Assembléia em 24 de Novembro de 2016.

Isso mostra a inércia da Prefeitura de São Luís em resolver os problemas que vem assolando à população. O governo do Estado também tem sua parcela de culpa, por vender uma propaganda enganosa aos cidadãos de São Luís, com o Programa Mais Asfalto.

Enfim o período eleitoral chegando, Governo do Estado e Prefeitura vão criando "obras" de cunho eleitoral para alcançar seus objetivos políticos-eleitoreiros. A população precisa tomar medidas mais enérgicas e aproveitar o momento para mudar.

A situação de abandono do Terminal  do Anel Viário não é mais novidade a ninguém, porém o tempo passa e a situação fica cada vez pior. Os problemas de infraestrutura, higiene e falta de segurança ainda são as principais reclamações da população que trabalha e utiliza o local diariamente.

Outro problema que vem causando prejuízos a proprietários de veículos, é a via que parece mais um rio, para se ter idéia da gravidade da situação os condutores de veículos pequenos, inclusives os motoristas de ônibus estão utilizando a calçada para poder seguir viagem, obrigando pedestres a utilizar outro caminho.

As pessoas que passam pelo  pela primeira vez no local, ficam assustadas por tamanha desorganização, sem falar na visão estarrecedora das barracas. O Higiene no local é praticamente inexistente, pois quem passa pela via se depara com todo tipo de lixo.

 

 

O estado deplorável e de completo abandono das ruas do bairro da Cidade Operária tem deixado os moradores com a sensação de esquecimento do poder público para aquela comunidade.

A situação é caótica em grande maioria das vias do bairro, cheio de enormes crateras, onde dificulta o acesso de motoristas e pedestres. Até mesmo para a polícia é difícil de realizar uma diligência com rapidez.

A dona Iria desapontada com a situação desabafa: "Não é justo que nossas crianças, jovens, idosos e principalmente pessoas com algum tipo de deficiência física, sejam obrigadas a conviver e aceitar o sucateamento do bairro.

Neste período das chuvas a coisa ficou pior, o estrago que tem causado a motoristas é grande, e a acessibilidade é praticamente inexistente.

A situação das ruas da Cidade Operária mostra a completa omissão e a negligência do poder público e a falta de compromisso dos representantes do bairro na câmara municipal.

Os desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) mantiveram sentença do juiz da 1ª Vara de Estreito, Gilmar de Jesus Everton Vale, declarando a nulidade de todas as autorizações expedidas pelo Município em favor de mototaxistas em exercício na localidade, determinando ainda que o Executivo Municipal se abstenha de expedir novas autorizações, não embaraçando o exercício da atividade de mototaxistas.

Além de declarar a inconstitucionalidade das Leis Municipais n° 006/1997 e n° 004/2009, e do Decreto Municipal n° 006/1999, o magistrado determinou ainda que fossem retirados todos os pontos de mototáxis fixados em logradouros, praças ou jardins públicos, ficando proibido de autorizar novas construções nesses locais, podendo, porém, disciplinar a criação de postos para mototaxistas em locais adequados, observando a Lei Orgânica e Código de Postura do Município.

O magistrado de base destacou as Leis Federais n° 12.009/2009 e n° 9.503/97, que estabelecem regras para a regulação dos serviços de transporte de passageiros, entendendo que a competência privativa da União somente poderia ser atribuída ao Município por expressa delegação, por meio de lei complementar e conforme a Constituição Federal. “Embora caiba ao Executivo Municipal suplementar legislação federal e traçar regras de interesse local, assim deve proceder sem extrapolar as normas editadas pela União”, enfatizou o juiz.

A decisão original se deu em ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Maranhão (MPMA), alegando que o Município teria invadido matéria de competência privativa da União, limitando a expedição de autorizações para mototaxistas sócios da Associação dos Mototaxistas de Estreito (AMEM). De acordo com o MPMA, o Município estaria limitando a autorização à proporção de uma motocicleta para cada 500 habitantes e que os pontos de mototáxis ficaram situados em locais irregulares.

Em recurso interposto junto a TJMA, o Executivo Municipal de Estreito argumentou possuir poder de polícia para atuar sobre assuntos de interesse local, e que as restrições impostas ao exercício da atividade objetivam organizar a categoria, rebatendo a acusação de monopólio aos profissionais associados à AMEM, apenas tendo disciplinado o serviço com vistas ao bem estar e à segurança da comunidade.

Os argumentos da defesa não convenceram a relatora do processo, desembargadora Ângela Salazar, que seguiu o entendimento do juiz de base para manter a sentença de primeira instância, entendendo que não cabe ao Executivo Municipal autorizar a exploração de serviços de transporte remunerado de passageiros, uma vez que a matéria é regulada pela União.

A magistrada frisou que o Município, enquanto ente da Federação, encontra-se vinculado aos princípios da Constituição Federal, que instituiu à União a competência privativa para legislar sobre trânsito e transporte (Art. 22, XI).

Moradores do Bairro Santa Bárbara na zona rural de São Luís tem sofrido há vários anos com o descaso do poder público. A principal avenida da comunidade, conhecida como Rua Brasília tem sido um tormento na vida de pedestres e proprietários de veículos, tudo isso por conta dos enormes buracos que à avenida possui. Mais o problema não se resume apenas nos buracos, com o período das chuvas, o problema se agravou e tem causado estragos nas residências e comércios do local.

Quem vai a primeira vez no local se assusta com a visão da via, que é tomada por lama e ondulação.