Pular para o conteúdo

A Polícia Federal deflagrou na manhã de hoje(16), a Operação Pegadores, que apura indícios de desvios de recursos públicos federais por meio de fraudes na contratação e pagamento de pessoal, em Contratos de Gestão e Termos de Parceria firmados pelo Governo do Estado do Maranhão na área da saúde.

A operação conta com o apoio do Ministério Público Federal, do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e da Receita Federal do Brasil.

As investigações indicaram a existência de cerca de 400 pessoas que teriam sido incluídas indevidamente nas folhas de pagamentos dos hospitais estaduais, sem que prestassem qualquer tipo de serviços às unidades hospitalares. Os beneficiários do esquema seriam familiares e pessoas próximas a gestores públicos e de diretores das organizações sociais.

TRAGA A VASILHA

Foi detectado também que uma empresa registrada como sendo uma sorveteria passou por um processo de transformação jurídica e se tornou, da noite para o dia, em uma empresa especializada na gestão de serviços médicos. Essa empresa foi utilizada para a emissão de notas fiscais frias, que teriam permitido o desvio de R$ 1.254.409,37.

polícia descartou o envolvimento da mãe de Allana Ludmilla, Jaciane Borges, do assassinato da menina. Segundo a delegada que investiga o caso, Viviane Azambuja, também ainda existe a investigação da possibilidade de mais uma pessoa ter participado do crime.

“O que a gente já descartou foi a participação da mãe. Ela não teve participação alguma nesse crime. Ainda estamos investigando a participação de um terceiro ou não”, declarou a delegada.

A polícia ainda estuda a possibilidade de fazer uma reconstituição do crime. Contudo, para a delegada Viviane o forte esquema necessário poderia inviabilizar os trabalhos. “Não está definido data, mas se for realmente ter com certeza nós vamos contar com um forte esquema de segurança", afirmou.

Ainda não há previsão para a entrega dos laudos periciais porque o local do crime foi alterado, o que dificultou o trabalho dos peritos. Só após o resultado do laudo a polícia terá mais certeza sobre tudo o que aconteceu. De acordo com o superintendente de perícia criminal do Instituto Médico Legal (IML) , Miguel Alves, existem procedimentos que precisam ser realizados para a conclusão dos laudos, o que faz com que o resultado demore um pouco.

“Nós temos uma série de exames que estão sendo realizados a partir de amostras coletadas tanto no local do crime, quanto no cadáver. Cada amostra dessa requer um tempo diferenciado para exame. Então nós teremos o laudo emitidos em tempos diferentes. Acredito que até o final da semana já teremos uma série grande de laudos produzidos, mas estaremos dando continuidade a finalização e encaminhamento de outros laudos no decorrer do tempo”, afirmou.

O ex-padastro da criança, Robert Serejo, estava foragido até o dia 04 de novembro, quando foi preso depois de embarcar em uma van, na BR-135. Ele foi ao ser reconhecido por dois policiais militares que estavam por acaso no veículo . Jurandir Burgos, sargento da reserva, conta que Robert pediu parada na BR-135 e que logo foi reconhecido quando entrou no na van.

“Quando ele adentrou eu pensei: 'é o cara que matou a menina!'. Aí eu comuniquei o César e disse para ele: 'César, o rapaz que matou a menina'. Ele me perguntou: 'Você tem certeza'. Eu respondi: 'absoluta'. Eu esperei ele sentar e pensei 'vamos abordar', mas César sugeriu abordar perto da barreira da Estiva", descreveu.

Segundo o segundo policial que estava no veículo, sargento César Roberto, a voz de prisão só foi dada em Pedrinhas por medida de segurança. "Como tinha várias mulheres dentro do microônibus, eu achei melhor fazer uma abordagem sergura perto da barreira da Estiva", declarou o policial.

Fonte: G1MA

O corpo da menina de 10 anos, Alanna Ludmila, foi encontrado na manhã desta sexta-feira, dia 3, no terreno ao lado da sua casa. De acordo com informações  confirmadas pelo Coronel Aritanã, do 13º Batalhão da Polícia Militar que está à frente do caso.

O vizinho Nonato Vasconcelos,  encontrou o corpo da menina, relatou que sentiu fortes odores vindo do quintal.

Eu senti um odor e achei que era uma sacola que estava próxima de mim, mas não era. Quando cheguei próximo ao portão da casa, sentir o odor ainda mais forte e resolvi pular o muro para verificar. Comecei a vasculhar e encontrei o corpo coberto com pouca terra, telhas e entulhos”, afirma o vizinho.

A primeira parte identificada foram as pernas da menina Alanna. Após realizar mais e mais, equipes do local identificaram que a menina estava envolta apenas por um plástico no corpo e um outro saco preto cobria a cabeça.

A polícia afirma que logo após o acionamento do caso, foram feitas perícias na casa da mãe e do pai.

PRINCIPAL SUSPEITO

O principal suspeito de ter sequestrado e assassinado  Alanna é o ex-padrasto, Robert Serejo Oliveira, de quem a mãe havia se separado recentemente. Mas existe há possibilidade de um envolvimento de segunda pessoa.

Um homem suspeito de assaltar uma van de transporte de passageiros que seguia para o município de Paço do Lumiar, na região metropolitana de São Luís, no final da manhã desta terça-feira (24).  Foi linchado por passageiros e populares no bairro Mercês, naquela cidade.

Segundo informações de um grupo de Whatsapp, a "vítima", estava em companhia de um comparsa quando ambos deram voz de assalto no interior do veículo.

Após cometerem o delito, os dois na tentativa de empregar fuga, somente um dos  suspeitos foi capturado. Diante da corriqueiras ocorrências de assalto na região, populares indignados com as ações desses meliantes, aplicaram uma verdadeira corsa neste homem, que infelizmente levou o suspeito a óbito ainda no local.

Até o momento não se tem a identificação da "vítima", já o comparsa conseguiu fugir.

O adolescente que disparou contra seis colegas e matou dois em uma escola de Goiânia foi transferido nesta segunda-feira (23) para um centro de internação.

Era 16h30 quando o adolescente de 14 anos deixou a delegacia. Um colete da polícia encobriu o rosto do jovem que, por lei, não pode ser identificado.

O adolescente seguiu de carro para um centro de internação onde vai ficar provisoriamente até uma audiência com o juiz da Infância e Juventude, que ainda não tem data marcada.

“Ele vai ficar apreendido 45 dias. Isso é provisório. O juiz vai deliberar a sentença definitiva sobre a internação definitiva, que, no máximo, será um período de três anos”, afirmou o delegado Luiz Gonzaga.

De manhã, o pai do atirador, que é policial militar, prestou depoimento durante uma hora e meia. Ele disse ao delegado que o filho nunca se queixou de sofrer bullying na escola. Contou que o adolescente pegou a arma de trabalho da mãe, que também é policial militar, em cima do guarda-roupa. Mas não soube dizer como o filho conseguiu as munições, que estavam trancadas em uma gaveta. A mãe não prestou depoimento ainda porque ficou em estado de choque e está hospitalizada.

A perícia ainda prepara um relatório sobre o ataque, mas informou ao delegado que foram disparados entre dez e doze tiros e a maioria atingiu as vítimas dentro da única sala do 8º ano do colégio.

O tablete do adolescente atirador de 14 anos foi apreendido e vai ser periciado. Nesta segunda-feira (23), a PM abriu um inquérito policial militar para apurar se houve imperícia por parte dos pais no caso.

A família de João Vitor Gomes, um dos dois adolescentes mortos, lembrou da amizade entre o filho e o atirador: “Ele não frequentava a minha casa, mas eu sabia que era amigo dele porque ele falava que eles jogavam juntos no recreio, eles estavam fazendo um projeto da escola agora juntos”, disse Katiuscia Gomes Fernandes, mãe de João Victor.

Muitas homenagens foram deixadas na porta da escola. Nesta segunda, pais e estudantes foram buscar as mochilas que ficaram para trás no dia do ataque. “No momento, agora, eu quero deixar ele à vontade. Então, estar perto dele porque nesse momento eu acho que o amor da família é o que importa”, disse Rita Valéria, mãe de um aluno.

Nesta segunda, a direção decidiu as aulas vão ser retomadas na próxima segunda-feira (30).

Três feridas no ataque continuam internadas. O estado de saúde de Isadora de Morais, que era grave, agora é regular. Marcela Rocha saiu da UTI. Lara ainda se recupera do tiro na mão. “Pensar na recuperação dos que estão internados e força para família dos que perderam seus filhos”, disse Vitor Hugo Mota, amigo das vítimas.

Hyago foi o primeiro estudante baleado a receber alta. Ele já faz planos: “Voltar a estudar, jogar bola. Agora é curtir mais, respeitar, dar valor aos pais”, disse.

O exame mostra que a bala ficou alojada no tórax, a cinco milímetros da medula óssea. “Pego a tomografia dele, fico olhando, agradecendo a Deus por a bala não ter andado mais meio milímetro, se não meu filho hoje estava na cadeira de rodas. Então eu tenho só que agradecer a vida inteira”, afirmou o pai de Hyago, Thiago Barbosa Gomes.

Adolescente de 14 anos usou uma arma calibre .40 para atirar contra os colegas de classe

Após deixar o colégio particular de Goiânia em que um aluno de 14 anos atirou contra colegas, o delegado Luiz Gonzaga Júnior informou na tarde desta sexta-feira (20) que a tragédia poderia ser ainda maior se uma coordenadora não interviesse, pois o atirador tinha mais munição. Dois alunos morreram, e outros quatro ficaram feridos.

“Ele ia matar todo mundo. Levou dois carregadores para a escola. Descarregou o primeiro e quando foi carregar o segundo, foi abordado pela coordenadora.

Segundo uma estudante que estuda na mesma escola do atirador, o garoto abriu fogo no final da última aula.

Ele assistiu todas as aulas, estava com a arma na mochila, e no final resolveu fazer isso". conta

Segundo ela, o primeiro tiro foi disparado dentro da mochila,

logo depois ele atirou para cima e depois aleatoriamente contra os alunos”, relata a garota.

Depois desse momento, o desespero se instaurou na sala de aula, que fica no terceiro andar do prédio. Na tentativa de se salvar da mira do atirador, alguns alunos caíram no chão e se machucaram. "Ela [minha sobrinha] não entendeu que eram tiros em um primeiro momento, só depois de alguns disparos uma colega a puxou pelo braço. Ela se desesperou, caiu no chão, mas conseguiu sair da sala”, descreve Gomes.

Com base em uma Ação Penal Eleitoral proposta pelo promotor de justiça da 78ª Zona Eleitoral, Fábio Santos de Oliveira, a Justiça condenou a ex-prefeita Malrinete dos Santos Matos (conhecida como Malrinete Gralhada), Rejane Kelman Cutrim Sousa, Raíssa Gabriele Cutrim Sousa e Alcione da Silva Martins pelos crimes de “boca de urna” e corrupção eleitoral.

Rejane Sousa (irmã de Malrinete Gralhada), Raíssa Sousa (sobrinha da ex-prefeita) e Alcione Martins (genro de Rejane Sousa) foram flagrados na madrugada anterior às eleições de 2016 – nas quais Malrinete Gralhada concorria à reeleição – em um carro parado no bairro Santa Clara, cercado por cerca de 20 pessoas. Dentro do veículo a polícia encontrou R$ 900 escondidos no banco do motorista, outros R$ 200 com Rejane Sousa, além de santinhos de Malrinete Gralhada e do candidato a vereador Marconi Mendes. Havia, ainda, papéis com promessas eleitorais de fornecimento de bens e serviços.

Para o promotor Fábio de Oliveira, os crimes foram praticados “com o nítido objetivo de descumprir as determinações legais e corromper os eleitores desta Municipalidade, oferecendo-lhes dinheiro ou prometendo-lhes o cumprimento de diversas vantagens ou benefícios, devidamente descritos na xerocópia do caderno de anotações”.

Todos os envolvidos foram condenados à pena de um ano de reclusão e seis meses de detenção, substituída por penas restritivas de direito. Dessa forma, Rejane Kelman Cutrim Sousa, Raíssa Gabriele Cutrim Sousa e Alcione da Silva Martins deverão pagar o equivalente a cinco salários mínimos a projeto ou instituição determinado pela Justiça. Além disso, estão proibidos, por um ano e seis meses, de frequentar bares, festas ou qualquer outro lugar público em que seja servida bebida alcoólica.

Eles foram condenados, ainda, ao pagamento de cinco dias-multa (cada dia-multa equivale a 1/30 do salário mínimo vigente), além de multa de 5 mil Ufir (Unidade Fiscal de Referência). O mesmo pagamento deverá ser feito por Malrinete Gralhada. Sua pena restritiva de direitos, no entanto, é diferente da aplicada aos demais.

A ex-prefeita de Bom Jardim deverá pagar o equivalente a 50 salários mínimos a projeto ou instituição determinada pelo Poder Judiciário, além de prestar serviços à comunidade, em entidade a ser indicada, pelo prazo de um ano e seis meses.

Na sentença, o juiz Raphael Leite Guedes ressalta que as “anotações encontradas dentro do veículo tinham compromissos que somente ela, como então prefeita municipal, poderia cumprir, tal como pagar salários atrasados, o que demonstra que a referida acusada era a autora intelectual do crime de corrupção eleitoral e boca de urna”.

O assassino Erinaldo Pereira Gomes foi encontrado morto na tarde deste domingo(15), por policiais dentro da cela em que se encontrava. Ele foi preso na última segunda-feira (9) após assassinar a golpes de marreta mãe e filha na cidade de Codó.

Erinaldo usava documentos falsos e foi condenado a 27 anos de prisão por homicídio qualificado e ocultação de cadáver, por estuprar e matar uma criança de 11 anos de idade. Ele chegou a passar 7 anos na prisão em regime fechado e quando ganhou o direito ao semiaberto não retornou mais a penitenciaria de Altamira, sendo foragido da Justiça.

O assassino estaria sofrendo ameaças na prisão e teria pedido ontem (15) para ficar em uma cela isolado. Desde então foi encontrado sem vida, morto por enforcamento. Tudo leva a crer que ele tenha cometido suicídio, mas o caso está sendo apurado pela Polícia Civil.

Os taxistas de São José de Ribamar estão indignados com atitudes que a Secretaria de Transportes do Município vem realizando para com a categoria. Segundo denúncia feita para este blog, o Secretário vem cobrando uma taxa de um adesivo que é colocado em cada veículo para identificação da regularidade do mesmo, com um valor alto na visão dos profissionais.

A maior revolta dos taxistas, não é apenas a cobrança da taxa de R$ 50,00 por cada adesivo, mas sim a forma da qual eles estão sendo obrigados a pagar. De acordo com a denúncia, os profissionais para ficarem regularizados junto ao órgão, tem que se dirigir até a Secretaria de Transportes de Ribamar e efetuar o pagamento em espécie no local sem nenhum tipo de documento de arrecadação, apenas recebem de funcionário da secretária um recibo.

A condição como está sendo realizado tal regulamentação dos serviços realizados por esses profissionais, está completamente fora dos padrões legal da constituição. O pagamento sendo efetuado dessa forma, sem nenhum tipo de documentação fazendária, caracteriza "caixa dois" e crime contra os cofres públicos. Uma vez que não se sabe qual o verdadeiro destino da quantia arrecadada.

Mais uma bronca das diversas que a atual administração do Prefeito Luis Fernando Silva, já acumulou em apenas meses de administração. Os taxistas bem como todos os ribamarenses tem a obrigação de saber porque a Prefeitura está agindo dessa forma.

Veja taxistas de ribamar disparando contra essa ação duvidosa da Secretaria de Transportes de Ribamar.

 

 

Uma mulher identificada como Julia Ninayara da Silva, 27 anos, residente no bairro Ivar Saldanha na cidade de Rosário, foi presa na tarde de ontem(27) portando substâncias semelhante a cocaina e crack, 01 colete balístico, uma arma de fogo caseira calibre 12, munição e etc.

A prisão realizada pela polícia militar, ocorreu após levantamento dos policiais que na residência em que se encontrava a Julia, um elemento procurado pela justiça de alcunha "Capetinha" estaria no local. A equipe do Major QOPM Pereira, ao ser autorizada a entrada no local e realizar uma minunciosa busca, fora encontrado todos os itens citados nesta matéria. Os policiais após descobrir todo o acervo, deram voz de prisão a Julia e a conduziram para a delegacia e entregue a justiça.