Pular para o conteúdo

Nova pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira(18), indica que Jair Bolsonaro, candidato do PSL ao Planalto, tem 59% das intenções de votos válidos, contra 41% de Fernando Haddad, do PT.

Se considerados os votos totais, que incluem brancos e nulos, o candidato do PSL tem 50%, contra 35% do petista. Outros 15% afirmam que não votarão em nenhum postulante ou não responderam.

O instituto foi a campo nesta quarta-feira 17 e nesta quinta 18.  A margem de erro do levantamento é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

No levantamento anterior, divulgado há oito dias, o capitão reformado do Exército tinha 58% dos votos válidos, contra 42% do petista. Em relação ao eleitorado total, o ex-militar tinha 49%, contra 36% de Haddad.

A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad segue maior entre os homens (58% a 32%) do que entre as mulheres (43% a 39%). Haddad segue à frente do ex-militar no Nordeste, onde tem 53% dos votos totais. Bolsonaro tem 31% na região. 

Nas outra quatro regioões, Bolsonaro tem larga vantagem. Na Região Sul, por exemplo, tem 61%, contra 27% do petista. 

Segundo o Datafolha, 95% dos eleitores do candidato do PSL dizem estar decididos. Entre os que votam no petista, 89% declaram não ter intenção de modificar o voto. 

O que adianta sair às ruas ou protestar em redes sociais contra os escândalos de corrupção evidenciados em um governo, seja ele na esfera federal, estadual ou municipal,  se exercermos o direito do voto de forma viciada e criminosa nas eleições.  Nesta campanha, a velha prática de compra de voto não ficou de lado, seja em valores em espécie, por uma cesta básica, alguns litros de combustível etc. O maranhense desta forma credencia o seu destino  por quatro anos de lamentos.

Há quem diga: "quem vende o voto, é mais ladrão àquele que compra...", sem deixar de ressaltar que o eleitor se torna de uma alguma forma "propriedade" do candidato que o comprou.

Uma grande fatia do povo brasileiro em especial o maranhense, desconhce o quanto foi difícil a conquista do voto, onde pessoas foram presas, mortas e obrigadas a fugir para outros países.

No parlamento estadual, muitos eleitos hoje estão sorrindo e já calculando seus ganhos para os próximos quatro anos, e aquele idiota que vendeu seu voto, vai calcular à miséria por mais tempo.

Será que o eleitor que vende o voto já parou pra refletir o que aquele candidato que lhe pagou pensa a seu respeito?

O deputado Júnior Verde (PRB) falou, na sessão desta quarta-feira (17), sobre os preparativos para a realização de um seminário que pretende fazer, na Assembleia Legislativa, nos próximos dias, para tratar sobre o desenvolvimento portuário do Maranhão. O parlamentar afirmou que o tema é importante por conta de o estado possuir um dos maiores portos do país, o Itaqui, por onde saem e chegam dezenas de tipos de produtos, movimentando riqueza e gerando empregos.

Segundo Júnior Verde, aconteceu, na tarde da última terça-feira (16), uma reunião importante, na Sala das Comissões, para definir estratégias para a realização do seminário focado no desenvolvimento portuário do estado.

“O porto do Itaqui, é reconhecido mundialmente por tamanha importância  estrategicamente e por ser um dos poucos portos no mundo todo que pode receber navios com mais de 200 mil DWT. Dando acesso a um portal daqui para o mundo, e, por isso, precisa se desenvolver. É claro que a conjuntura das discussões que tivemos na tarde de ontem foi nesse propósito. Já fizemos, antes, um seminário, inclusive com apoio do Professor Oyama, que estava presente nessa sessão. O professor nos ajudou a formalizar essa iniciativa, que é poder realmente discutir um tema importante para a logística do desenvolvimento deste país”, contou.

No encontro da Sala das Comissões, o deputado disse que participaram representantes da Petrobras, do Banco do Nordeste e, também, de empresas que lidam com o setor portuário, discutindo a necessidade de, mais uma vez, fazer uma reedição ou um fórum para discutir a questão portuária do Estado.

“Eu faço referência à questão portuária, hoje, porque devemos desenvolver a economia no Maranhão. Como é que nós conseguimos desenvolver a economia do estado? Ora, primeiro precisamos dar atrativos para que as empresas se instalem no Maranhão. Nós temos reunido todas as condicionantes para que realmente as empresas se instalem em nosso estado. Precisamos buscar, claro, fazer com que as empresas percebam que nós temos a logística necessária. Temos um porto, temos nossas BR's, temos nossas ferrovias, tudo que é condicionante como elo de um processo para o desenvolvimento econômico e que permita fazer com que elas possam aqui se instalar”, analisou.

INFRAESTRUTURA

De acordo com o parlamentar, é preciso, também, conceder incentivos fiscais para que as empresas se instalem e gerem empregos, que só virão se houver investimentos na infraestrutura. “Precisamos ampliar a nossa capacidade de recebimento de navios. Quando a gente está na Litorânea, na praia, na orla marítima aqui de São Luís, vemos os navios ali, aguardando para poder atracar, carregar ou descarregar. Aí você percebe, ali, uma fila. Aquela fila não é uma fila que seria a princípio normal, porque o que se quer é que se tenha mais praticidade, facilidade. Cada navio parado significa dizer que há uma perda no que se refere a custo/benefício, porque há um custo pela estada do navio, ali, naquele momento. Então é preciso dar celeridade, ampliar a capacidade portuária do Maranhão”, afirmou.

“O Tegram (Terminal de Grãos do Maranhão) já é a uma referência deste avanço, e já temos aí um escoamento de grãos e os navios são carregados com grãos e são exportados. Mas, precisamos continuar essa ampliação, perceber que é possível atrair investimentos, indústrias, que possam estar beneficiando os produtos aqui mesmo e, claro, tendo o condicionante de poder fazer o escoamento da produção e o porto ser esse portal de acesso. Precisamos melhorar e, ontem, nós já conseguimos discutir com o corpo técnico os primeiros momentos de um fórum, para discutir, realmente, essa necessidade de ampliação do Porto do Itaqui”, finalizou.

A Polícia Federal (PF) deflagrou nesta quinta-feira (18/10) de forma simultânea, duas fases da Operação Sermão aos Peixes - Peixe de Tobias (6ª Fase) e a Abscondito II (7ª Fase). Estão sendo cumpridos 19 mandados de busca e apreensão, oito de prisão temporária e um de prisão preventiva, todos expedidos pela 1ª Vara Criminal Federal do Maranhão. A Justiça determinou o bloqueio judicial e sequestro de bens num valor que supera os R$ 15 milhões.

As diligências estão sendo realizadas em seis cidades: São Luís e Imperatriz, no Maranhão, Parauapebas (PA), Palmas (TO), Brasília e Goiânia (GO). A investigação contou com a participação do Ministério da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU) e da Receita Federal.

As investigações da Peixe de Tobias identificaram que, entre 2011 e 2013, aproximadamente de R$ 2 milhões destinados ao sistema de saúde estadual teriam sido desviados para uma empresa sediada na cidade de Imperatriz, tendo ocorrido o pagamento de valores mensais a blogueiros. A PF apura as circunstâncias do repasse.

A Abscondito II apura o vazamento da primeira fase da Sermão aos Peixes. O esquema investigado teria cooptado servidores públicos para obter informações privilegiadas sobre a investigação. A PF aponta indicativos de destruição e ocultação de provas. Além disso, violando medidas cautelares impostas pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), um dos investigados teria dilapidado seu patrimônio e transferido seus bens para terceiros com o objetivo de impedir que fosse decretada a perda.

Os investigados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa, dentre outros que possam ainda ser apurados. Após os procedimentos legais, os presos serão encaminhados ao sistema penitenciário estadual, onde permanecerão à disposição da Justiça Federal.

Os nomes escolhidos para estas novas fases da operação são uma referência a trechos do Sermão de Padre Antônio Vieira (1654), que ficou conhecido como o "Sermão aos Peixes", no qual o religioso e filósofo utiliza vários peixes como símbolos dos vícios e corrupção da sociedade. O fel do Peixe de Tobias, apesar de amargo, teria a capacidade de curar a cegueira dos ouvintes.

No contexto da investigação, o Peixe de Tobias busca revelar (trazer luz sobre) parte da trama delitiva que envolveu o desvio de recursos públicos. Já o nome Abscondito II, continuidade da Operação Abscondito, deflagrada em outubro de 2016, remonta a um trecho do Sermão segundo o qual alguns peixes, quanto maiores, mais se escondem.

Trata-se de uma referência aos atos de ocultação de provas e de patrimônio a partir da tentativa de dissimulação e ocultação dos bens adquiridos com valores desviados do sistema de saúde estadual.

Após o fiasco na articulação de uma frente democrática em apoio a Fernando Haddad, a campanha do PT ao Planalto admite ajustes no segundo turno e ainda tenta ampliar as alianças com outros setores da sociedade.

Com ataques ao PT feitos pelo senador Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, e diante das dificuldades para dilatar seu arco político, a ordem no QG petista é investir no eleitorado mais pobre e em grupos de evangélicos, juristas, artistas e intelectuais - que tradicionalmente já apoiavam o PT.

Nesta quarta (17), Haddad vai se reunir com lideranças evangélicas em São Paulo e prepara uma carta em que se comprometerá com a defesa da vida e valores da família.

O ato é reflexo da preocupação dos petistas em conter o avanço de Jair Bolsonaro (PSL) inclusive entre o eleitorado lulista, como pobres, nordestinos e religiosos.

Segundo o Datafolha, cerca de 70% dos evangélicos estão com o capitão reformado. O candidato do PSL tem 18 pontos sobre o petista segundo o Ibope desta segunda (15) -59%, contra 41% de Haddad.

Para diminuir essa diferença, o herdeiro de Lula esperava formar uma frente com atores políticos importantes, como Ciro Gomes (PDT), Marina Silva (Rede) e Fernando Henrique Cardoso (PSDB), mas as tratativas não avançaram.

A cúpula da campanha de Haddad admite que o duro discurso de Cid Gomes, irmão de Ciro, colocou em xeque o plano de um arco democrático para se opor a Bolsonaro.

Durante evento no Ceará em apoio ao petista, na segunda-feira (15), Cid criticou o PT e chamou militantes que o vaiavam de "babacas". Ele chegou a afirmar que o partido merecia perder a eleição. "Não admitir os erros que cometeram é para perder a eleição. Vão perder feio", disse o ex-governador do Ceará, cobrando um mea culpa dos petistas.

A postura de Cid alarmou ainda mais a campanha do PT, mas não foi o primeiro sinal de que a frente democrática está fazendo água a 11 dias do segundo turno.

Na semana passada, Haddad ficou preocupado com a viagem de Ciro à Europa após o PDT anunciar um "apoio crítico" à sua candidatura.

Os petistas entenderam que seria cada vez mais difícil levar Ciro para o comando da campanha, com uma participação ativa, como era o desejo de Haddad, e agora já não esperam mais nada do terceiro colocado no primeiro turno.

Em entrevista nesta terça, Haddad minimizou a fala de Cid, disse que não havia assistido ao vídeo na íntegra e que a discussão é "meio acalorada".

"Essa coisa é meio acalorada mas eu não vou ficar comentando isso até porque eu tenho uma amizade pessoal com o Cid, ele fez elogios à minha pessoa, prefiro sempre olhar o lado positivo", disse.

A campanha de Bolsonaro, por sua vez, apressou-se para explorar a polêmica e levou o discurso de Cid ao seu programa na TV. "Cid Gomes, irmão de Ciro Gomes, fala a verdade que o PT não aceita", diz o locutor na abertura da peça.

Na tentativa de evitar o desmoronamento completo do plano de formar sua frente, Haddad acelerou a aproximação com FHC e telefonou, nesta segunda, para o superintendente do Instituto FHC, Sérgio Fausto, mas nada de concreto foi fechado.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ex-presidente afirmou que havia possibilidade de uma "porta" de diálogo para Haddad. O tucano e o petista têm boa relação e conversavam diretamente antes da campanha.

Haddad nunca acreditou em declaração de apoio público à sua candidatura por parte de FHC, mas avalia que o tucano, ao rechaçar Bolsonaro, pode participar de uma plataforma em defesa dos valores democráticos. FHC é a tentativa de peso para o projeto após o petista ver, além de Ciro, Marina e até Henrique Meirelles (MDB) declararem neutralidade no segundo turno.

Articulador político da campanha do PT, Jaques Wagner minimizou o fracasso dos acordos e chegou a dizer que desconhecia a ideia da formação da frente –ecoada por ele mesmo e pelo candidato desde a semana passada. Segundo Wagner, a tese era de "ampliar com a sociedade" e todos os recados já foram dados.

Haddad esteve também com o ex-presidente do STF Joaquim Barbosa na semana passada, mas a conversa foi pouco assertiva. Barbosa, que poderia ser ministro da Justiça de um eventual governo do PT, de acordo com aliados do candidato, declarou estar preocupado com o país, porém não deu sinal de que vai firmar acordo publicamente com o petista.

Fonte: FolhaExpress

O Ministério Público do Maranhão (MPMA) ajuizou,  Ação Civil Pública para obrigar o município de São Vicente Férrer a realizar concurso público para todas as funções hoje ocupadas irregularmente por contratados temporários e comissionados, sob pena de imposição de multa diária e pessoal de R$ 5 mil à prefeita Conceição de Maria Pereira Castro.

Em caráter liminar, a promotora de justiça Alessandra Darub Alves, autora da ação, requer que, no prazo de 30 dias, o município forneça informações e documentos, como o número de servidores que possui atualmente, com nomes, cargos/funções desempenhadas, órgãos em que trabalham e qual o tipo de vínculo que cada um possui com a Prefeitura, se são efetivos, contratados temporariamente, comissionado etc.

Também foram requisitadas cópias das leis municipais que autorizaram as contratações temporárias em vigor, bem como os nomes das pessoas que possuíam tais contratações e foram exoneradas durante este ano.

O Ministério Público requereu, ainda, que no final do processo, sejam declarados nulos todos os contratos por tempo determinado e que o Município de São Vicente Férrer seja obrigado a se abster de realizar contratos temporários para cargos efetivos, sob pena de aplicação de multas em caso de descumprimento.

Para a promotora de justiça Alessandra Darub Alves, nada justifica a omissão da prefeitura em realizar o concurso público. O último aconteceu em 2015, após outra Ação Civil da Promotoria de Justiça. “É comum a gestora alegar falta de recursos para honrar pagamentos de servidores, mas realiza todas as festas e festejos municipais com recursos públicos. Só neste ano, já realizou festa de carnaval, festejos juninos, aniversário da cidade, todos esses eventos envolvendo a contratação de bandas, dentre outras despesas”, argumentou.

A representante do Ministério Público acrescentou que, antes do ajuizamento da Ação Civil, requisitou uma série de informações à Prefeitura de São Vicente Férrer, desde 2017, sobre o atual quadro de servidores, natureza do vínculo que cada um possuía com o ente municipal, ano em que foi feito o último concurso público, dentre outras. “No entanto, passados todos esses meses das requisições, ainda não se obteve nenhum esclarecimento. Registre-se que tais informações deveriam estar no Portal da Transparência do Município e não estão.

A 2ª Promotoria de Justiça da Comarca de Coroatá ingressou, no último dia 7, com uma Ação Civil Pública na qual pede que a Justiça determine a retirada de cercas e construções que não respeitem a faixa de domínio da rodovia MA-020 entre os municípios de Coroatá e Vargem Grande. A ação foi movida contra o Estado do Maranhão, Município de Coroatá e outras 46 pessoas que têm construções na área proibida.

A faixa de domínio é uma extensão de segurança, reservada a proteger a rodovia de pedestres, animais de grande porte, além de possibilitar eventual obra de ampliação da estrada, como duplicação e implantação de outras pistas. A faixa compreende 15 metros para cada lado a partir do centro da pista. Além disso, existe a área “non aedificandi”, de outros 15 metros para cada lado, a partir da faixa de domínio, totalizando uma área de 30 metros, em cada lado, nos quais não podem ser feitas construções.

Entre as irregularidades encontradas pelo Ministério Público estão a presença de cercas, residências, bares, açudes e até um posto de combustíveis na área. No povoado Macaúba, por exemplo, há um bar em funcionamento a apenas 6,5 metros da rodovia. Em outros pontos, cercas estão colocadas a apenas 1,5 metro da estrada. Em setembro de 2013 aconteceu um acidente com vítima por conta dessa proximidade, no qual uma senhora que estava na garupa de uma moto faleceu ao bater com a cabeça em uma cerca muito próxima à estrada.

“A proximidade das cercas, bares, residências e reservatórios da faixa de rolagem rodoviária forçou, inclusive, a instalação de postes que sustentam a rede de iluminação pública fora dos limites, fato que se comprova visualmente, não precisando alguém ser técnico para se constatar tal irregularidade”, observa, na Ação, o promotor de justiça Luis Samarone Batalha Carvalho.

De acordo com a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Sinfra), a responsabilidade pela fiscalização e aplicação da lei estadual que limita a faixa de domínio é do Departamento Estadual de Infraestrutura e Transporte (Deint), mais precisamente por meio de sua Unidade Regional de Codó.

O Ministério Público requer que a Justiça determine, em liminar, que os proprietários rurais, moradores ou posseiros retirem as cercas, bares, residências e açudes que desrespeitam à legislação, em prazo a ser determinado pelo juízo.

Também foi pedida a condenação do Estado do Maranhão a proceder a fiscalização contínua da área, evitando novas ocupações da faixa de domínio e área não edificável. Foi pedida, também, a aplicação de multa ao Estado do Maranhão, Município de Coroatá e proprietários e moradores em situação irregular no caso de descumprimento da decisão.

Outro pedido feito pela Promotoria é de que o Estado do Maranhão e o Município de Coroatá sejam determinados a providenciar novos locais e residências para as famílias desalojadas. De acordo com o promotor Samarone Carvalho, essas construções foram feitas com a conivência do Poder Público e pertencem a “famílias carentes, desprovidas de meios para obter ou construir novas casas”.

Após tomar conhecimento e fazer uma análise do edital de chamara nº 03/2018, divulgado pela Secretaria Municipal de Cultura, o vereador Cézar Bombeiro (PSD) afirmou que vai lutar e buscar o envolvimento da sociedade para a manter a realização da Feira do Livro na área do Centro Histórico de São Luís, mais precisamente ocupando todo o espaço da Praia Grande.

Ocorre que segundo o comunicado municipal, a Feira do Livro está programada para acontecer no período de 16 a 25 de novembro no Multicenter Sebrae. “é inconcebível esta iniciativa, já que tradicionalmente a Feira do Livro vem sendo realizada anualmente na área do Centro Histórico, o que já faz parte do calendário cultural do município, e dos segmentos literários, bem como de toda a população ludovicense”, acentua o parlamentar do PSD.

Convém ressaltar, de acordo com o vereador, que a Feira do Livro foi criada por iniciativa do então prefeito Tadeu Palácio, no segundo semestre de 2016, tendo como seu primeiro local de realização a Praça Maria Aragão, passando pelo Convento das Mercês em 2014,  e ultimamente tem se notabilizado na área da Praia Grande.

“A nossa luta para a realização da Feira do Livro na Praia Grande se dá por motivos obviamente ligados a cultura maranhense, que gira basicamente em torno do centro da cidade. Aqui na Praia Grande dispomos de locais com uma grande identificação cultural de nosso povo como a Praça Poeta Nauro Machado, a Praça Poeta e Pesquisador da cultura Popular valdelino Cécio, Teatro João do Vale, Centro de Criatividade Odylo Costa filho, Centro de Cultura Popular Professor Domingos Vieira Filho, e grandes valores culturais, que são a identificação cultural de
nosso povo”, afirma Cézar Bombeiro.

Ele justifica ainda que a Praia Grande é um marco central da cultura ludovicense, com fácil acesso a todos que são atraídos por este evento, sem contar com a facilidade da questão de mobilidade, tanto de pedestres quanto para quem usa o transporte coletivo e outros meios. “Não podemos deixar que seja cometido esse ato de violência contra a nossa cultura, e indago qual é a identificação cultural que o Multicenter Sebrae tem com os valores culturais literários de nossa gente, além de ser um local de difícil acesso para quem desejar participar da Feira do Livro”. Pontua o parlamentar.

Cézar Bombeiro promete que irá lutar bastante para manter a realização
da Feira do Livro na área do Centro Histórico, tendo como foco principal
a Praia Grande, “e estou convidando toda a população para que possamos
empreender uma luta com essa finalidade, fazendo uma mobilização de toda
a classe artística cultural, e todos para não deixar que seja cometido
um ato desse de violência contra a nossa cultura”, finalizou

Certamente essas são palavras que mais predominam no âmbito da política partidária, tanto na esfera federal, estadual ou municipal. Acordos firmados são quebrados repentinamente para atender determinados interesses pessoais, deixando a coletividade e o companheirismo em segundo plano. Impressionante como aquilo tido como certo e sensato vira incerteza e dúvida num piscar de olhos. Palavras firmes e fortes de apoio dão lugar ao silêncio profundo. Nesse momento é possível perceber a ingratidão atrelada à traição.

Constatamos o uso dessa prática nessa eleição do último dia 7 de outubro quando o prefeito da cidade de Afonso Cunha, Arquimedes fez a um candidato a estadual. O parlamentar que destinou ao município maquinário por indicação ao Governo do Estado e outros benefícios.

Certamente não existe no dicionário de Arquimedes lembrança do passado ou tão pouco reconhecimento do trabalho e compromisso.  Também não há espaço para recordar o quanto foi importante o apoio  e atenção do parlamentar quando solicitado. Como diria um escritor  “Os ingratos e traidores são como aves de arribação. Se faz bom tempo eles vêm, se faz mau tempo eles vão.”

Mais vale lembrar que não é apenas o prefeito Arquimedes, da cidade de Afonso Cunha que usa desses mecanismos sórdidos para interesses escusos. A política maranhense está recheado deles.

A quinta-feira deste dia 11 de outubro dos candidatos à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) promete ser intensa. Apesar da recomendação médica de evitar um ritmo mais acelerado de atividades, Bolsonaro convocou um ato político no Rio. Haddad estará em Brasília para reuniões na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o PSDB.

Por meio de interlocutores, Bolsonaro convocou os eleitos pelo PSL e partidos coligados para um grande ato público, às 14h, no Hotel Windsor, na Barra da Tijuca. A expectativa, segundo apoiadores, é reunir 380 pessoas. Será transmitido um discurso do candidato destacando a importância do engajamento no segundo turno.

Nas redes sociais, Bolsonaro criticou os atos de violência cometidos por quem se diz simpatizante e apoiador de sua candidatura.

“Dispensamos voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim. A esse tipo de gente, peço que vote nulo ou na oposição por coerência, e que as autoridades tomem as medidas cabíveis, assim como contra caluniadores que tentam nos prejudicar.”

Brasília

Haddad tem reunião na CNBB. No encontro, ele pretende reiterar suas preocupações com a execução de um programa de governo baseado no respeito e na preservação dos direitos humanos e sociais. Também deve destacar a prioridade nas ações direcionadas aos menos favorecidos.

Apesar de não estar na agenda oficial do candidato, há a expectativa de Haddad se reunir com o presidente nacional do PSDB, Carlos Siqueira. Ontem (10) a legenda reiterou apoio à candidatura do petista.

Nas redes sociais, Haddad voltou a pedir que Bolsonaro participe dos debates e colocou-se à disposição para se reunir com o adversário em qualquer local. “Faço o que ele [Bolsonaro] quiser para ele falar o que pensa e debater o país. Com assistência médica, enfermaria, em qualquer ambiente.”