Pular para o conteúdo

A Promotoria de Justiça de Cedral apresentou, em 23 de outubro, uma Denúncia contra a enfermeira Ana Carolina Monteiro de França e o médico Marcos Alves Lemos. Os dois são acusados pela morte de Lídia Sousa Moreira Velozo, em 11 de agosto, após parto realizado no Hospital Nossa Senhora da Assunção.

A mulher deu entrada na unidade de saúde por volta das 7h45, tendo sido acompanhada pela enfermeira Ana Carolina de França. Após o parto, às 12h20, a mãe apresentava forte sangramento, considerado normal pela profissional. Como a paciente não expeliu naturalmente a placenta, a enfermeira realizou uma manobra para retirá-la, denominada Jacob Dublin.

Às 15h15 há um registro feito na Evolução de Enfermagem de que a paciente encontrava-se “sem queixas e em estado clínico adequado”. Familiares de Lidia Velozo relataram, no entanto, que ela se queixava de fraqueza, dor e afirmava estar delirando.

Somente às 16h15, após nova avaliação que identificou um sangramento interno e a gravidade do caso, foi determinada a transferência da paciente para Cururupu. Durante a transferência, no entanto, Lídia Velozo faleceu, nas proximidades do município de Mirinzal.

As investigações do Ministério Público apontaram que, apesar de ter sido informado sobre a paciente em trabalho de parto e ter ido à sala por diversas vezes, o médico Marcos Lemos em momento nenhum interveio. Coube a ele somente a prescrição de medicamentos e a determinação da transferência para outro hospital.

“O conjunto de ações e omissões dos denunciados tiveram como resultado a morte da paciente, de 24 anos, que deu entrada no Hospital Nossa Senhora da Assunção, em bom estado de saúde, para dar à luz o seu primeiro filho”, afirma, na Denúncia, o promotor de justiça Thiago de Oliveira Costa Pires.

CAPACITAÇÃO

Ana Carolina de França não era profissional habilitada para a realização do parto que resultou na morte de Lídia Velozo. De acordo com a lei n° 7.498/86, que regulamenta a atividade de enfermagem, a um enfermeiro generalista, enquanto integrante da equipe de saúde, é permitido a execução de partos sem distocia, ou seja, qualquer problema materno ou fetal que dificulte ou impeça o parto. A identificação e atuação nesse tipo de caso cabe ao enfermeiro especialista em obstetrícia.

Ana Carolina apresentou, no inquérito policial, diploma de graduação em enfermagem e uma declaração de matrícula em pós-graduação em Enfermagem Obstétrica e Neonatal, além do histórico escolar da pós-graduação. Ela não tinha, portanto, a qualificação necessária para realizar este parto.

Procedimentos realizados pela enfermeira, como a episiotomia, a episiorrafia e a dequitação placentária, também são atribuições de enfermeiros especialistas. O primeiro procedimento (um corte no canal de parto para facilitar a saída do bebê) é, inclusive, desincentivado pela Organização Mundial da Saúde pois a literatura médica o aponta como causa de maior dor, sangramento e complicações intra e pós-operatórias.

A dequitação placentária, ou retirada da placenta que não é expelida de forma espontânea, também não poderia ter sido feita pela enfermeira generalista. O promotor de justiça aponta, na Denúncia, que a execução incorreta da manobra Jacob Dublin “é uma das causas para ocorrência de hemorragia pós-parto, causa da morte de Lídia”.

“Lídia faleceu em consequência de hemorragia pós-parto por atonia uterina. Seu útero, sem capacidade de contração, não pôde reagir ao sangramento sofrido. Apesar de o sangramento ter sido observado pelos presentes na sala, inclusive leigos, a profissional de saúde Ana Carolina não identificou que se tratava de uma hemorragia”, observa Thiago Pires.

OMISSÃO

O médico Marcos Alves Lemos, plantonista em 11 de agosto de 2018, mesmo ciente da existência de paciente em trabalho de parto, não integrou efetivamente a equipe de saúde do caso. Caberia a ele avaliar a existência de dificuldades, o que desautorizaria a enfermeira responsável de atuar no caso.

Em uma de suas passagens pela sala de parto, o médico chegou a demonstrar preocupação com a quantidade de sangue perdido pela paciente mas, mesmo assim, não tomou nenhuma medida. “É fato inafastável que o acusado omitiu-se de agir, talvez acreditando na suposta expertise de Ana Carolina”, avalia o promotor de justiça.

Ana Carolina Monteiro de França e Marcos Alves Lemos foram denunciados pelo crime de Homicídio Culposo, cuja pena é de detenção de um a três anos. No caso, a pena pode ser aumentada em um terço pois “o crime resulta de inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício”.

A Polícia Militar está no encalço de seis detentos que fugiram do Hospital Nina Rodrigues, localizado no Monte Castelo em São Luís. De acordo com informações a fuga ocorreu na tarde desta terça-feira (6), e os presos sairam pelos fundos da unidade de saúde, trajando os uniformes do presídio de pedrinhas.

Os fugitivos são presos de justiça, e foram encaminhados para o Hospital Nina Rodrigues para realizarem tratamento de saúde.

A polícia já tem indicativo que dois dos fugitivos foram em direção ao bairro da Alemanha e os demais no sentido da região da Liberdade.

 

 

Um homem de aproximadamente 35 anos foi brutalmente assassinado no final da tarde de ontem(05), no centro de São Luis. Segundo informações à vítima foi morto com vários tiros na Rua do Passeio, a menos de 300 metros do Plantão Central de Polícia localizado nas Cajazeiras.

De acordo com informações, Jailson trabalhava no local como flanelinha e residia em uma casa abandonada próximo do local o qual foi assassinado. Segundo relatos, na tarde de ontem a vítima se encontrava próximo a um prédio residencial quando um carro preto se aproximou, descendo do veículo dois homens armandos em direção de Jailson e de imediato efetuado vários disparos, acertando o franelinha no peito e na cabeça.

Passado poucos minutos várias viaturas chegaram ao local na tentativa de encontrar nas imediações os assassinos. O corpo de Jailson foi encaminhado para o Instituto Médico Legal - IML.

Ainda de acordo com informações, Jailson era usuário de drogas e meses atras teve sérios problemas de saúde, onde passou vários dias hospitalizado.

Veja video abaixo

 

 

 

Uma idosa identificada como Rosa Vieira do Nascimento, de 84 anos, foi brutalmente assassinada com cinco golpes de faca pelo seu próprio filho. O triste episódio ocorreu ontem(19) na cidade de Alto Alegre do Pindaré.

O monstro que ceifou a vida de sua própria genitora é reconhecido como Antônio José Vieira, 49. Após cometer o crime, o "suspeito" tentou fugir, mas foi capturado por moradores que tentaram linchá-lo. Ao ser perguntado sobre o motivo do crime,  ele disse a mesma desculpas que muitos assassinos utilizam: "ouvir vozes que pediam para que ele matasse a mãe". Certamente ele também ouviu vozes para ele fugir após cometer a brutalidade. 

Segundo informações da polícia, o homem sofre de esquizofrenia e por conta do distúrbio mental ele chegou algumas vezes a ser internado na capital e depois de receber alta continuou fazendo uso de medicamentos e era a mãe quem cuidava dele.

Um homem identificado como Marcos Vinicius Rodrigues, vulgo Marcão, foi morto com cinco tiros na noite de ontem(25),  suspeito de praticar um assalto no bairro do Sacavém em São Luis.

Após ser alvejado por várias vezes, Marcos Vinicius foi espancado a pauladas. Quando a polícia chegou ao local, não havia mais tempo de conduzir Marcão para uma unidade hospitalar. O óbito foi imediato do suspeito.

Segundo informações, Marcão já vinha cometendo diversos assaltos na região, e já estava na mira de desafetos e vítimas.

O autor dos disparos não foi identificado.

Uma guarnição do 3º Batalhão da Polícia Militar do Maranhão prendeu na madrugada de ontem, em Imperatriz, um dos agentes do PCdoB denunciados por divulgação de fake news contra a ex-governadora Roseana Sarney (MDB).

Segundo relato dos policiais que participaram da ação, o blogueiro Fabrício Oliveira – que se identificava como funcionário do Governo do Estado do Maranhão em uma de suas páginas em redes sociais – foi abordado em uma rua conhecida por ser acesso a bocas de fumo da cidade.

Durante a abordagem, ainda segundo a PM, nada de ilícito foi encontrado com o comunicador, que acabou preso quando se descobriu – após consulta realizada pelo Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops) – que havia contra ele um mandado de prisão em aberto no estado de Goiás.

Segundo apurou a reportagem, Fabrício Oliveira foi condenado a seis anos de prisão por assalto a mão armada. A pena deve ser cumprida em regime semiaberto. Há ainda, segundo dados do Banco Nacional de Mandados de Prisão, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), um segundo mandado em aberto.

A prisão do blogueiro comunista ocorre apenas dias depois da confirmação do envolvimento dele em outro crime.
Ao cumprir uma sentença do juiz federal Clodomir Reis, do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE-MA), determinando ao Facebook a exclusão e identificação de perfis fakes criados para atacar Roseana Sarney, os advogados da rede social apresentaram, no dia 16 de julho, os IPs de acesso.

Na peça, informou-se que era Fabrício Oliveira quem administrava a página falsa, já deletada. A partir dos dados apresentados pelo Facebook, constatou-se que o blogueiro do PCdoB usava uma lan house e o próprio celular para logar-se na conta e disseminar propaganda negativa e fake news contra a ex-governadora emedebista. O fato foi comunicado, também, à Polícia Federal.

 

Conteúdo: Luis Pablo

Uma jovem mulher foi brutalmente assassinada por dois vagabundos na noite de ontem(24), no bairro do Coroadinho. Segundo informações, a mulher após sair da casa de sua genitora, iria à casa do seu namorado, quando foi seguida por dois criminosos em um veículo que atiraram contra a cabeça da vítima.

A polícia foi acionada e ao avistarem o veículo conduzido pelos criminosos, lograram êxito e predenram os "supostos" assassinos. Até o momento não se tem informação qual a motivação do assassinato.

Veja abaixo o momento que policiais militares efetuaram a prisão dos criminosos.

Os alunos da unidade IEMA - UP São Luís, tem sido alvos constantes de furtos a celulares no interior das salas de aula. Segundo denúncias enviada para o blog, mais um caso de furto foi ocorrido no interior da sala de aula na manhã desta terça-feira(19).

De acordo com as informações, essas práticas tem sido constantes principalmente no interior das salas, enquanto os alunos saem para fazer qualquer atividade do lado de fora da sala de aula.

A maior preocupação dos país é como uma escola com segurança privada em todas as entradas da unidade, ainda acontecem esses delitos no interior do prédio. O maior receio dos país é a entrada de marginais vestidos com uniforme da escola no intuito de cometer seus crimes.

O governo do Estado deve tomar uma providência imediata, uma vez que o IEMA é o principal projeto de educação da atual gestão no setor da educação.

Mais um caso de feminicídio no Maranhão ocorreu na noite desse domingo(10) na cidade de Codó. A vítima foi morta pelo namorado com sete golpes de faca. Segundo informações policiais, Concilma Muniz de Sousa, 36 anos, foi assassinada em um bar, na avenida Maranhão.

O assassino que ainda temos que classificar como suspeito, trata-se de Francisco Pereira da Silva, que após cometer o crime fugiu.

Concilma Muniz, teve morte instantânea devido a grande quantidade de golpes que levou do criminoso.

 

A pedido do Ministério Público do Maranhão, a Justiça determinou, em 2 de maio, como medida liminar, a imediata suspensão pelo Município de Miranda do Norte de qualquer pagamento à empresa J.L. Raquel Comércio e Serviços, em razão da venda simulada de produtos à Prefeitura.

Em caso de descumprimento, foi determinado o pagamento de multa no valor de R$ 10 mil por pagamento que venha a ser realizado. A multa deverá ser paga pessoalmente pelo prefeito, Carlos Eduardo Fonseca Belfort, e ser revertida ao Fundo Estadual de Proteção e Defesa dos Direitos Difusos.

Elaborou a Ação Civil Pública a promotora de justiça Flávia Valéria Nava Silva, titular da 1ª Promotoria de Justiça da Comarca de Itapecuru-Mirim, da qual Miranda do Norte é termo judiciário. Proferiu a decisão a juíza Laysa de Jesus Paz Martins Mendes.

IRREGULARIDADES

Na ação, foi relatado que o Município de Miranda do Norte pagou, de janeiro a fevereiro de 2018, a quantia de R$ 805.873,34, referente à compra de mercadorias, sendo que não há, no Sistema de Acompanhamento Eletrônico de Contratação Pública (Sacop) do Tribunal de Contas do Estado (TCE), qualquer informação de licitação ou contrato entre a empresa e o município, bem como não foi localizada qualquer publicação de extrato de contrato entre ambos na imprensa oficial.

Também foi verificado que no cadastro do site da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) a referida empresa consta como “não habilitada”, além de não existir qualquer empresa no endereço informado no CNPJ da J.L. Raquel Comércio e Serviços, inexistindo instalação comercial na localidade.

O MPMA igualmente levantou fortes indícios de pagamentos lesivos ao erário, em virtude do fornecimento fictício de mercadorias declaradas nas notas fiscais como Powerpoint, LibreOffice e Plug and Play para Microsoft Windows e Windows XP, sendo que a ferramenta LibreOffice é gratuita, podendo ser baixada livremente na internet.

Outro apontamento é a ausência de informação, na prestação de contas anual do Município de Miranda do Norte, referente a 2017, de qualquer computador como parte integrante do patrimônio municipal.

O MPMA atestou, ainda, a quantia exorbitante de outros materiais supostamente vendidos ao Município, tais como 150.500 envelopes, 5.900 pilhas e 17.400 litros de água sanitária. “A quantidade excessiva dos produtos indica simulação de vendas, o que pode ser confirmado pela ausência de procedimento licitatório e inexistência de instalações empresariais no endereço da sede da empresa, além da inabilitação junto ao órgão estadual”, afirmou, na ação, a promotora de justiça Flávia Valéria Nava Silva.