Pular para o conteúdo

SENTINDO NA PELE – Vereador Beto Castro se revolta ao ser impedido de entrar no Socorrão I

O vereador Beto Castro (PROS), usou do seu expediente da tribuna da Câmara Municipal de São Luís para denunciar um episódio que ocorreu na unidade de saúde do Socorrão I, no centro de São Luís.

A revolta do parlamentar foi por conta dele ter sido "impedido" de entrar no hospital Socorrão I. De acordo com seu relato, a sua filha foi mordida por um cão, e ao procurar uma unidade de saúde privada em busca de vacinação antirábica foi orientado que a medicação só era de uso de instituição pública, e que a mesma poderia receber a medicação no hospital Djalma Marques.

Ao chegar a hospital, a sua filha desceu com uma acompanhante, enquanto ele foi estacionar o seu veículo. Quando chegou a portaria pediu informações sobre o acesso da filha e da acompanhante, quando foi participado que haviam se dirigido ao setor de enfermagem. (*)

Só que a coisa ficou feia após o parlamentar ao se identificar como vereador e pedir permissão para ter acesso as depedências do hospital para acompanhar sua filha. O que Beto Castro não esperarava era a atitude do segurança ao dizer que lá(Socorrão I) não era continuação da Câmara de Vereadores. O parlamentar indignado virou-se a ele disse que iria então inspecionar os maus-tratos constantes que sofrem os pacientes no local e temia até pelo tratamento que seria dado a sua filha e entrou na marra, como se diz.

Do outro lado o vereador e colega Sá Marques (PHS), tomou as dores e pediu a direção do legislativo municipal providências quanto a direção do Socorrão I e do secretário de Saúde Municipal sobre a orientação dada aos funcionários no impedimento da entrada de vereador na unidade de saúde.

Infelizmente, o parlamentar teve que passar por situação de milhares de maranhenses que utilizam do serviço público para sentir na pele a dura realidade dos serviços que são oferecidos à população no âmbito da saúde na capital maranhense. Esperamos que a medida que Beto e Sá Marques não seja apenas por revolta do fato ocorrido.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *